Como investir no mercado imobiliário com pouco dinheiro (A partir de R$ 100,00) ?

É de conhecimento geral que o brasileiro adora imóveis, certo? Isso é totalmente compreensível com o passado hiperinflacionado que tivemos. Naquela época era melhor possuir qualquer coisa, menos o dinheiro em si.
Por isso, é muito comum as pessoas buscarem os imóveis como forma de investimento assim que começam a receber algum dinheiro, seja um lote para uma valorização futura ou um imóvel para gerar renda através do aluguel.
Se identificou? Então o texto de hoje é para você mesmo!

Acontece que um imóvel necessita de um volume considerável de dinheiro, que na maioria das vezes as pessoas não dispõe naquele momento, então o que elas fazem?



"E aí, bora financiar? Só bora!"

Agora pensa que loucura, a pessoa quer começar a investir, no país com uma das maiores taxas de juros do MUNDO e em seu primeiro investimento já coloca os juros para trabalhar, CONTRA ELA. 

"Mas tá tudo bem, fiz minhas contas aqui. Com o valor de entrada que vou dar, vai diminuir as parcelas futuras e com o dinheiro do aluguel vou pagando as parcelas, fala aí se não sou um gênio das finanças? Um rei Midas dos imóveis?"

Infelizmente bons imóveis acabam não cabendo no bolso da maioria das pessoas, e assim imobilizamos uma grande parte do capital que possuímos, para investir (ou dar de  entrada) em imóveis que se encaixem nas nossas possibilidades. Na maioria das vezes, estes imóveis não chamam a atenção de grandes grupos econômicos e acabamos por locar o nosso imóvel para o Seu João montar sua lojinha.
Isso é muito bom, imóvel locado, dinheiro do aluguel pagando a parcela, só alegria . Aí um belo dia (ou não tão belo assim) em função da crise, o Seu João resolve fechar seu negócio e te entregar o imóvel.

"Não vou me preocupar, a imobiliária já está trabalhando para alugar novamente e enquanto isso vou arcando com os gastos do imóvel vago, tenho certeza de que vai alugar rapidinho."

Agora a parcela deste investimento está saindo diretamente do seu bolso, mas além da parcela tem conta de água, energia, IPTU e outras contas que você não tinha levado em consideração quando comprou o imóvel. Com o orçamento apertado em função destes gastos "inesperados", as contas vão se acumulando, o imóvel permanece vago pois a economia não ajuda, ou seja, além de ter que arcar com os gastos, o seu dinheiro imobilizado naquele imóvel não está te dando retorno algum (poderia estar rendendo 10% ao ano em um título público sem nenhuma dor de cabeça).

Você finalmente percebe que tem duas opções, ou se desfazer do imóvel para se livrar da parcela e dos gastos inerentes ao imóvel desocupado, ou diminuir o preço do aluguel para alugar logo, e consequentemente ter que arcar com parte da parcela do imóvel, pois só o aluguel não será mais suficiente.
Bom, me parece que você foi de rei Midas a Eike Batista, mas tudo bem a vida é feita de altos e baixos.

Antes de tomar qualquer decisão, vamos parar e refletir sobre sua situação atual, refletir sobre todos os seus bens. Muito provavelmente o imóvel representará quase tudo que você possui, ou seja, quase todo o seu dinheiro está em apenas um lugar, exposto ao risco de um imóvel e também de apenas um inquilino.

Essa combinação acima não me agrada muito, e você? O que acha?


"Mas cara, para de falar de tragédia. Comecei a ler o texto pra falar de coisa boa, quero começar a investir no mercado imobiliário com o que tenho, para com essa baboseira e vamos logo ao que interessa."

Agora que já pintamos um cenário que é mais comum que você imagina, vamos falar da opção para quem deseja investir em imóveis com pouco dinheiro e o melhor de tudo, sem fazer dívidas.

O que você pensaria, se eu te falasse que é possível começar a investir no mercado imobiliário com R$ 100,00, sem ter que fazer dívida alguma e ainda já receber seu "aluguel" no mês seguinte? Você falaria que sou maluco, né? 
E se eu melhorasse ainda mais essa situação, além de poder começar a investir com R$ 100,00, o provento recebido seria isento de imposto de renda, você não teria que se preocupar com lidar com inquilino ou imobiliária, seu imóvel estaria nas grandes avenidas dos grandes centro, como Avenida Paulista ou Faria Lima e o melhor de tudo, seus inquilinos seriam empresas como Banco do Brasil, Petrobrás, GVT e outras empresas que faturam bilhões por ano, ou seja, a chance de inadimplência é pequena. Mas como estamos vivendo em um momento de crise, e se tiver inadimplência? Bom, você terá uma equipe que resolverá isso por você.


"Cara, isso que você tá falando é alguma pirâmide, né? Parece bom demais para ser verdade. Que Avestruz Master dos imóveis é isso que você tá querendo me colocar? Sai fora rapá!"

Estamos falando dos fundos de investimento imobiliários (FII para os mais íntimos), que consiste em uma reunião de capital de diversas pessoas físicas e jurídicas, para aquisição e exploração de imóveis (ou de títulos lastreados em imóveis, mas hoje falaremos apenas de imóveis). Uma vez que esta comunhão é realizada, o fundo emite cotas para as pessoas que aplicaram seu dinheiro e parte para aquisição dos ativos imobiliários. Com isto feito, o negócio está fechado, ninguém entra e ninguém sai, por isso dizemos que se trata de um FUNDO FECHADO. Se você quiser se tornar cotista deste negócio, vai ter que comprar a cota de uma pessoa que já a possui e deseja vender para você, não é possível negociar a cota diretamente com o fundo (pode ocorrer novas emissões de cotas, mas isso é história para outro dia). Então, como o negócio em si já está rolando na maioria das vezes, no mês seguinte a aquisição das cotas, você já começa a receber seu aluguel.

Uma vez que a cota do fundo foi comprada, você terá uma participação em todos os imóveis do fundo, podendo tirar onda com os amigos quando estiver passando de bobeira pela Faria Lima...


Tá vendo aquele prédio ali? É do papai aqui! (Na verdade, provavelmente só um ou dois tijolos destes será seu, mas ninguém precisa saber, certo?)
Olhando de frente pelo Google Street View, pra você ver que dá mesmo pra tirar onda, o negócio é bonito.

Existem diversos tipos de fundos imobiliários no mercado, fundos que investem em salas comerciais e lajes corporativas, galpões de logística, shoppings centers, bancos, enfim, estão presentes em praticamente todos os setores da economia.


"Cara, que loucura! Me fala logo como eu faço pra poder comprar essa parada?"

Os fundos imobiliários são negociados na bolsa, então para comprar as cotas o processo é bem similar a compra de uma ação, mudando apenas o código do ativo.

LEITURA RECOMENDADA: Onde compro uma ação? Como comprar uma ação?

Existem diversos fundos imobiliários com cotas variando de R$ 1,90 (isso mesmo, existem fundos com cotas custando menos de DOIS REAIS) a mais de R$ 2.000,00. Mas em geral, os valores por cota ficam entre R$ 100,00 e R$ 200,00.

Para conhecer os fundos listados na B3, é só clicar aqui. Uma vez na página da B3, clicar no nome do fundo que deseja conhecer. Após clicar no nome do fundo, você será direcionado para uma página que aparecerá o código de negociação do fundo e qual a cotação atual do fundo, clicando em "Informações Relevantes" e posteriormente em "Relatórios" você terá acesso aos relatórios enviados pelo fundo, falando sobre os contratos de locação, vacância, imóveis, etc.
Uma outra opção é o site Tetzner, que possui várias discussões e informações sobre os fundos disponíveis para aplicação na Bovespa.
Conhecer os fundos disponíveis é um trabalho que exige paciência, mas que deve ser feito para que você saiba exatamente onde está colocando seu suado dinheiro.

Espero que tenha te ajudado a conhecer um pouco mais sobre os fundos imobiliários, e caso você tenha gostado do que leu, voltaremos nas próximas semanas com mais informações e curiosidades sobre esse ativo. Até mais!